Crônica: O Ceifador de Sonhos

Crônica: O Ceifador de Sonhos

Cadê a esperança?

 PSEUDÔNIMO: Léo Daniel

O ceifador de sonhos

Saudações a todos! Sejam bem vindos a mais uma coluna do poeta, Léo Daniel. Para quem está chegando, pela primeira vez, meu nome é Leonardo Daniel –  escrevo sobre a intensão de luta contra o Corona Vírus, (num contexto poético e filosófico. Hoje, quero deixar meus agradecimentos ao Silas, já que sem o empenho dele não haveria o bom combate. Continuo na luta de conscientização frente ao programa, mas sou esperançoso e otimista. Contarei uma história imaginada por mim e existente de forma latente no fundo anímico de indivíduos que ainda ousam sonhar, essa história é portanto inventada, como um fábula porém como já vimos em alguns outros artigos é fundamentada com dados da realidade, foi

Que a trouxe novamente, então agora peço as musas que eu seja eloquente e possa narrar do ponto de vista de quem pôde amar essas lembranças…

         Era uma tarde de janeiro, ainda muito pequeno para ir à escola, ficava o tempo todo brincando, meus pensamentos voavam em sons levados pelo vento, a família era grande, não éramos ricos grande também era a casa, com quartos, salas e a televisão em preto e branco, os sonhos eram coloridos e vivíamos os assistindo.

            O tempo passava de forma mágica, as refeições que diziam que hora era, e assim o passar das horas era biológico e degustado com todo o cuidado de quem lancha as delícias da feitas pela mãe. O mais enigmático de tudo é que às vezes íamos, eu e meus irmãos, comprar pão, leite, doces, com a minha mãe, ou com uma irmã mais velha. A praça de onde eu morava era uma delícia de diversões e liberdade, ela se estendia por alguns quilômetros e separava os dois blocos de quadras, onde formava o conjunto Itatiaia, lá era bom lanchar (às vezes era só ki Suco e pão com margarina, mas e o brincar então, era sensacional, era melhor ainda com a turminha.

            Nessa praça, havia muitos brinquedos, quebra-cabeça, escorregador, balanço, plataformas com desafios variados, e brincar alí me fazia me sentir-me feliz, me sentir querido e amado por minha família e pela humanidade, pois, sabia que eram os “homens adultos e desconhecidos” que tinham construído aquelas maravilhas, minha gratidão de criança era enorme. Um dia comecei a notar a falta de alguns brinquedos, não sabia se os tinham levado para consertar, pois alguns precisavam de reparos, ou se alguma outra coisa estava acontecendo. Em casa a notícia era terrível, na mesa do jantar meu pai falou que um ferreiro estava roubando os brinquedos para aproveitar o ferro…

             Que crime brutal! Pensei com meu pequeno coração aflito, tínhamos que chamar a polícia… Os dias se passaram e os brinquedos iam acabando, os sonhos de criança estavam sendo ceifados pela cobiça e frieza humana.

            Um dia o inusitado encontro ocorreu! Vimos o homem com suas ferramentas ceifando os sonhos! Ele era alto, meio gordo, branco, com um boné branco e vermelho e não se preocupava se estávamos o vendo-o simplesmente ceifava os brinquedos como quem corta o tronco de uma árvore morta, como quem abre espaço para o tráfego de pedestres.

            Tive raiva! Vontade de gritar! Tentamos repreendê-lo, mas só conseguimos que ele adiasse sua destruição, já havia feito planos para todo aquele metal valioso para um ferreiro e incalculável para uma criança. O sonho estava sendo apagado junto com as marcas do envelhecimento. Tivemos outras aventuras, mas aquela mácula se mantinha desde os anos 80 e se mantém até hoje na praça do conjunto Itatiaia em Goiânia, o que o ceifador levou foi mais do que essa história pôde contar…

            O Brasil quer o desenvolvimento econômico, mas impede as crianças de sonhar, de brincar e sem isso não há ministro que resista ao fracasso na educação, não há presidente que por mais decente, possa lutar contra maldição de ceifar os sonhos dos pequenos. Vamos plantar um jardim em cada praça, vamos enchê-la de brinquedos, que o parque infantil se multiplique por todo o Brasil!

            Destruir uma praça é trocar a ágora da democracia por tiros e narcóticos que tanto matam e destroem vidas e esperanças. Conte esta história para seus queridos e descubram na sua magia outras formas de sentido…

Leonardo Daniel Ribeiro Borges

(poeta, escritor, professor,

apresentador do programa radiofônico

 ‘Liberdade de Expressão’)

 

12/02/2021

Inhumas, Goiás

 

Bora compartilhar

 

Visitem meu site:

www.poetaleodaniel.com

e-mail: leodanielrb@yahoo.com.br

2 thoughts on “Crônica: O Ceifador de Sonhos

  • março 29, 2021 em 8:08 pm
    Permalink

    Vvd meu amigo as crianças são nosso futuro
    Mais como vc falou pra mim isso é real por não tenho condições pra compra brinquedo e sempre vamos na praça os bandidos sempre quebra tudo homem grande faz isso e rui ver mais acabaremos fica só em casa Deus cuida das nossa crianças

    Resposta
  • março 29, 2021 em 11:19 pm
    Permalink

    Muito bom!! Adorei o texto!! Parabéns!!!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *